Tecnologia da Informação na Copa do Mundo

A partir de 14 de junho, bilhões de pessoas vão acompanhar o principal evento esportivo do planeta: a Copa do Mundo de Futebol. Com 32 seleções, a competição vai reunir os melhores jogadores na Rússia. Mas será que hoje apenas o talento e força física são suficientes para levantar a taça?

Você pode até estranhar, mas a resposta é não. No Mundial de 2014, a Alemanha chegou ao tetracampeonato graças a um recurso de TI bastante utilizado pelas empresas: o Big Data.

Essa ferramenta permite coletar informações de várias fontes (redes sociais, relatórios, banco de dados, entre outras). Com base no que foi coletado, é possível escolher a tática mais adequada para neutralizar os pontos fontes dos adversários e explorar as facilidades.

Sem dúvida, o uso adequado das informações e a qualidade técnica dos alemães foram determinantes para o lamentável e inesquecível 7 a 1, imposto à seleção brasileira na semifinal da última Copa do Mundo.

O Big Data permite à comissão técnica analisar as situações de cada partida e treinar jogadas ideais para chegar ao gol dos adversários. Outra vantagem é verificar como o rival utiliza a posse de bola com dados sobre os jogadores que dão mais passe e os que mais finalizam.

Árbitro de vídeo

Mas a tecnologia da informação não está presente no futebol somente por meio de softwares. No Mundial da Rússia, será utilizado, pela primeira vez, o árbitro de vídeo (VAR, sigla em inglês). Esse recurso será utilizado para verificar a regularidade ou não em lances de gol, esclarecendo dúvidas sobre impedimento ou se a bola passou inteira pela linha.

Também será importante para marcar ou anular pênaltis, dar cartão vermelho em agressões fora do lance de bola ou em casos de dúvida indicados pelo árbitro principal e identificar os atletas envolvidos em uma confusão.

Para a utilização do VAR, quatro árbitros serão destinados a assistir a um jogo em uma sala com diversos monitores, no Centro Internacional de Transmissão em Moscou. Eles não terão acesso ao gramado e devem avisar ao árbitro de campo, quando detectarem um erro claro.

Com a intenção de aproveitar o potencial desse recurso de TI, os 12 estádios, onde serão os jogos, terão 33 câmeras instaladas, sendo que 8 gravarão no modo super lento, 6 em extra lento, e duas serão específicas para checar impedimentos. 

Transparência e detalhes

Sem dúvida, o VAR é muito importante para minimizar as possibilidades de uma equipe ser prejudicada por erros de arbitragem. Isso mostra que a tecnologia da informação pode contribuir para dar mais transparência ao principal evento esportivo do planeta neste ano.

Além do Big Data e do VAR, outro recurso de TI que estará presente na Copa do Mundo é o chip instalado na bola Telstar 18, que vai permitir o uso do NFC (transmissão de dados por aproximação). Esse mecanismo vai fornecer informações em tempo real sobre deslocamento, posição e velocidade da bola durante as partidas.

Assim, o torcedor vai poder acompanhar os detalhes dos principais lances das partidas. Com certeza, a tecnologia da informação é peça-chave para o sucesso dos times e da organização do principal evento de futebol do planeta. 

                                                                                                                                             

2015 / Desenvolvido pelo PRODEST utilizando o software livre Orchard